O Parque Nacional da Tijuca foi oficialmente criado em 1961, mas a mancha florestal foi idealizada 100 anos antes pelo imperador D. Pedro II, como forma de recuperar a vegetação dizimada pela plantação de cana de açúcar e café.

Alguns dos principais pontos de interesse do parque são o Pico da Tijuca, o Pico do Papagaio e a Cascatinha Taunay.

Esta área bem preservada de floresta atlântica constitui um forte atrativo tanto para os cariocas como para os visitantes de fora do Rio de Janeiro, pois permite a prática de várias modalidades esportivas, como a escalada ou o parapente, é perfeita para caminhadas na natureza e tem uma fauna e flora muito ricas.

Com 1021 m de altitude, o Pico da Tijuca é o ponto mais alto do Parque, podendo ser alcançado por um trilho que se inicia na Estrada da Cascatinha, no Alto da Boavista. Embora possa parecer difícil chegar ao topo do ponto mais alto da cidade, o trilho não é íngreme e tem dificuldade reduzida, mesmo para quem não está habituado a caminhadas. Lá de cima, o visitante poderá admirar uma vista ímpar sobre o Rio de Janeiro.

Uma das grandes atrações é o Centro de Visitantes do Parque Nacional da Tijuca. Aí o visitante encontra uma exposição permanente de seu nome “Uma Floresta na Metrópole”, que procura informar o público sobre a riqueza e fragilidade da biodiversidade da área.

O visitante poderá encontrar muitas espécias animais neste magnífico parque, entre elas macacos ou iguanas. Basta estar atento ao percorrer os trilhos e estará em contato próximo com a natureza selvagem, bem no meio da cidade.

Os trilhos estão bem sinalizados e poderá pegar um mapa gratuito na entrada do parque, que encerra ao por do sol.

Se não tiver veículo próprio, existem diversas opções de transporte para chegar até lá.